quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Brincadeiras Região Sudeste


Abaixo, algumas brincadeiras da Região Sudeste do Brasil. 
Conhece outra brincadeira? Compartilhe! 




Taco
Origem: São Paulo (SP)


Jeito de brincar
Para brincar, é necessário um taco, uma bolinha de tênis e uma base (pode ser uma casinha de madeira ou uma latinha de refrigerante). Duas crianças são os rebatedores, que ficam com o taco de madeira para protegerem a base da dupla de lançadores.
O objetivo dos lançadores é derrubar a base com a bolinha ou com chutes. Quando os rebatedores tiram o taco do chão, os lançadores podem chutar a base ou lançar a bola.
Se conseguirem quebrar a defesa dos rebatedores e derrubar a base, eles ficam com o taco. Se os rebatedores jogarem a bola longe cinco vezes, eles ganham o jogo e trocam de lugar com os lançadores.


O que a brincadeira trabalha
Coordenação motora, socialização, atenção, competitividade. 







Amarelinha
Origem: Uberlândia (MG)

Jeito de brincar
Os participantes desenham um diagrama que vai desde o inferno até o céu. 
Quem for escolhido para começar o jogo fica no inferno e lança uma pedrinha no número 1.
Depois, tem que pular direto para as casas 2 e 3, com um pé em cada número e seguir assim: com um pé só nos números que estiverem sozinhos ou nos que estão ao lado de um número em que esteja a pedra e com os dois pés nas casas que estão lado a lado.
Quando chegar ao céu, a criança pode pisar com os dois pés. Dali, ela tem que se virar e voltar pulando tudo de novo.
Quando chegar aos números 2 e 3, pega a pedrinha do número 1 e, sem pisar nele, pula com os dois pés de volta ao inferno.
O próximo a jogar lança a pedrinha ao número 2. Pula com um pé só nos números 3 e 4 e segue pulando de acordo com as regras.
Os outros jogadores têm de fazer o mesmo jogando a pedrinha em cada um dos números.

Regras
- Só pode pular com o mesmo pé com que começou o jogo (não vale trocar de pé).
- Não pode apoiar a mão ou o outro pé no chão para pegar a pedrinha.
- Não pode pisar na linha ou fora do quadrado.
- Não pode pisar no quadrado em que estiver a pedrinha.
- Não pode jogar a pedrinha no quadrado errado.
- Quem errar passa a vez para o seguinte.
- Sempre que o jogador que errou voltar, ele recomeça de onde estava.
- Ganha quem conseguir chegar ao céu primeiro sem errar.

O que a brincadeira trabalha: lateralidade, coordenação motora, atenção. 



16 bolinhas DE GUDE
Origem: Lavras (MG)

Jeito de brincar
Os jogadores colocam 16 bolinhas sobre uma mesa. Depois, decidem quem começa o jogo. 
O jogador ganha as bolinhas que conseguir acertar e vence o jogo quem acertar mais bolinhas.

O que a brincadeira trabalha:coordenação motora, noção de espaço, força e velocidade.



Serra, serra, serrador
Origem: Curvelo (MG)

Jeito de brincar
Duas crianças se põem de frente e dão as mãos. Depois, ficam balançando os braços, indo e vindo, enquanto falam “Serra, serra, serrador! Serra o papo do vovô! Quantas tábuas já serrou?”.
Uma delas diz um número e as duas, sem soltarem as mãos, dão um giro completo, ainda de mãos dadas. Elas giram até completar o número que foi escolhido.



Perna de pau
Origem: Jaguaré (ES)

Materiais
- 2 tocos de madeira;
- 2 estacas de madeira;
- 2 pregos e um martelo.

Como fazer
- Encontre tocos de madeira com espaço para cada um dos seus pés.
- Com o martelo, pregue as estacas em um dos lados de cada toco.
- Suba nos tocos com o apoio da estaca e comece a andar.

Dica
Peça ajuda a um adulto para usar o martelo.

O que a brincadeira trabalha: equilíbrio, coordenação motora, antecipação de movimentos.




Batata quente
Origem: Lavras (MG) e São Paulo (SP)

Jeito de brincar
Um grupo senta em círculo e uma criança fica de fora da roda e vai dizendo:
“Batata quente, quente, quente, quente... queimou!”
As crianças vão passando uma bola de mão em mão até que escutem a
palavra “queimou”.
Nesse momento, quem estiver com a bola sai da brincadeira.
Ganha quem fica por último.

O que a brincadeira trabalha
Coordenação motora, habilidade verbal, atenção. 





Stop
Origem: Lavras (MG)

Jeito de brincar
Em um papel, cada jogador escreve uma lista de itens. Exemplos: cidade, animal, cor, profissão.
Uma letra é sorteada e todos os participantes têm que completar a lista, escrevendo em cada item uma palavra que comece com a letra definida pelo grupo. Por exemplo: se a letra sorteada for a “A”, tem que escrever o nome de uma cidade, de um animal, de uma profissão que comece com essa letra.
A primeira criança que completar a lista grita “stop” e todas as outras têm que parar de escrever.
Cada item vale uma pontuação –que pode ser definida pelo grupo. Se houver itens repetidos, os jogadores só ganham a metade da pontuação. 
Ganha quem, ao final das rodadas, fizer o maior número de pontos.

O que a brincadeira trabalha
Memória, atenção, agilidade, ampliação de repertório. 





Cobra-cega
Origem: São Paulo (SP)

Jeito de brincar
Um participante é escolhido para ser a cobra-cega. Ele é vendado e rodado dez vezes. Depois, o pegador sai atrás do grupo.
Quem for pego coloca a venda, e o jogo recomeça.

O que a brincadeira trabalha
Memória espacial, percepção, audição.






Pipa
Origem: Itanhaém (SP)

Como fazer
- Posicione uma vareta na vertical e duas na horizontal, amarrando-as com a linha em todas as extremidades e nos pontos em que elas se encontram. Assim, a armação da pipa estará pronta.
- Depois, passe cola em um dos lados das três varetas.
- Pegue o papel de seda, centralize e, com cuidado, vá colando-o devagar por toda a armação. Com uma tesoura, recorte o formato da pipa para tirar os excessos.
- Corte os cantos e cole direito. Amarre as duas extremidades com a linha e você tem o estirante para garantir um bom voo da pipa.
- Para fazer a rabiola, recorte saco plástico em pequenos pedaços. Com um nó
simples, prenda os pedaços do plástico na linha do carretel. Quanto maior a pipa, maior a rabiola.

O que a brincadeira trabalha
Coordenação motora fina, noção de espaço. 



Vaca amarela
Origem: São Paulo (SP)

Jeito de brincar
Todos dizem os versos abaixo e ficam em silêncio no final. Perde quem falar primeiro.

“Vaca amarela pulou a janela
Fez cocô na panela
Mexeu, mexeu, mexeu
Quem falar primeiro come todo o cocô dela
Um, dois, três, cala a boca japonês
Chinês, fecha os olhos de uma vez.”

O que a brincadeira trabalha
Atenção, regras, disciplina. 





2 comentários:

Feeh' Mauri disse...

Muito BOm !!!!!!!!!!!!

Jaqueline Quessada disse...

Mt bom. adorei. me ajudou mt